Oração de Paz de São Francisco de Assis

“Senhor! Fazei de mim um instrumento da vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor.

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.

Onde houver discórdia, que eu leve a união.

Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.

Onde houver erro, que eu leve a verdade.

Onde houver desespero, que eu leve a esperança.

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.

Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:

consolar, que ser consolado;

compreender, que ser compreendido;

amar, que ser amado.

Pois é dando que se recebe.

É perdoando que se é perdoado.

E é morrendo que se vive para a vida eterna.”

Daqui a 10 anos

Daqui a 10 anos

Não quero estar onde estou

Onde estive

Quero-me para mim

E somente por mim

Já que sou o maior presente da minha vida

 

Daqui a 10 anos

Quero ter sentido

E sido muito mais

Posto que a vida é fugaz

E sei que somente depois da morte

Haverá algum tipo de paz

 

Daqui a 10 anos…

 

Dez anos?

Dez anos é tempo demais

Melhor deixar logo tudo para trás

E recomeçar hoje

Agora

Sem demora

Já está mais do que na hora

De viver de dentro para fora.

hoje-resolvi-pensar

Esconde-me aí dentro

Esconde-me aí dentro

Está muito frio

Minha alma tão vazia

Há tempos que sequer sorrio

 

Esconde-me aí dentro

Não quero ser encontrado

Deixe-me sem pressa dormir

Em ti completamente enroscado

 

Esconde-me aí dentro

Proteja-me do que não sei

Sutura esses cortes profundos

De quando me autoflagelei

 

Esconde-me aí dentro

Como? Eu não sei

Só sei que dentro de ti

A paz eu encontrei.

lembrancas

Um lugar qualquer em qualquer lugar

Viajar para um lugar distante, novo

Não de alma; só de corpo

É como rever o que nunca fui visto

E achar novidade no que parecia morto

 

Como turista acidental de mim mesmo

Descobri que até onde a paz parece estar escondida

Também há milagres, cores e sabores:

Um viva para a minha despretensiosa e corriqueira vida!

men greeting sun

Anagnórise – Redenção

Parte V

 

Razão e coração discutem

Soberbos de seus motivos

Dependendo do ângulo que se olha

Tudo parece relativo

 

Já não havia mais lágrimas

Para chorar

Discursos ou palavras

Para dizer

Restou a lógica ilógica

A razão irracional

Mas o sentimento…

Este permanece como tal

 

E no anseio por respostas

Afastam-se deliberadamente

Como se distância importasse

Para dois corações que se sentem

 

Não há mágoa ou raiva

Apenas uma grande frustração

Por saber que se pode muito mais

Por saber o quanto é ineficaz

Tentar controlar o incontrolável

Tentar viver a mentira

Tentar encontrar motivos

Que transformem amor em ira!

 

Faltou dizer ao tal casal

Que mesmo não sendo

Vive e sente como tal

Que o amor não é uma escolha

Que não morre se repreendido

Que não desaparece se econdido

Pelo contrário!

Ele contra-ataca

É guerreiro tenaz

Presente de Deus

Que a Deus satisfaz

É o amor que nos escolhe

Nada mais

 

E com a alma dorida

E nas mãos o coração

Navegam pela cidade

Em busca de solidão

 

Mas que inimigo é este

Que só bençãos trás?

Responda-me se for capaz

De raciocinar para mentir

 

Que inimigo é este

Que feito fogo nos consome?

Apogeu da mulher e do homem

Que se escolheram para sentir

 

E já conformados

Fracos

Desiludidos

Guiados por anjos

Transbordam grande grito!

E se livram de orgulhos

Barulhos

Entulhos

Ferrolhos

Alhos

Bugalhos

E aceitam-se, sim!

Não há como decretar o fim

Do que só tem começo

 

E sem saber o que dizer

Abraçam-se

Enlaçam-se

Amassam-se

E sentem a dimensão

Do que fugiram até então

E na profusão

De todo tipo de sentimento

Consentem-se

Permitem-se

Por Deus!

Magnânimo coração

Ponderada

Empoderada

Multisciente razão!

Entendam-se agora

Eis que chegou a hora!

Abrem-se as cortinas

Estão neles

As luzes da ribalta

 

E trocam lágrimas

Beijos

Confessam e realizam

Desejos

E humildente

Reconhecem:

Coração e razão

Não competem

Completam-se

A paz

A felicidade

Se faz sentir

Juntos

Aquecem-se

 

E emocionam

O tal anjo

Que sem querer

Por breve período

Os invejou

Este casal se merece

Dos filhos seus

Deus não se esquece

Missão cumprida

O amor promovido

Ao mais alto grau

Da escala Richter

Sem causar nenhum

Tipo de destruição

Só amor

Amor…

Amor…

Sem fim…

Enfim…

Foi encontrada a razão

Dentro do coração

Há de fato razão

Nas coisas do coração.

redenção

Navegação

 

Voando feito anjo

Eu conheço um anjo

Que vive em seu próprio tempo

E precisa dele para viver

 

Sua beleza é inequivocamente única

Sua inteligência fora do comum

Seus toques fazem tudo parar de doer

 

Sua presença ilumina, contamina

Enche-me de paz, de amor, de tudo mais

É a pura materialização da esperança

 

É como meu sexto sentido

Onde encontro acolhedor abrigo

Que faz minha alma ficar mais mansa

 

Mas mesmo este anjo parece sentir medo

E diante de algum desassossego

Recolhe subitamente as suas asas

 

Não deixa de ser um anjo, entretanto

 

As asas recolhidas são um sinal de força

Para que em seu próximo vôo

Possa ir além, absolutamente triunfal

 

Felicidade é seu nome e sobrenome

E este amor que deixa meu coração com fome

Também é, sem dúvida alguma, angelical.

anja

Para ouvir:

Like an Angel – Yngwie J. Malmsteen

I’ve been searching for you for so long
My life’s been sacrificed
I’ve been longing for truth
And now I have found all that in you

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free
To feel true love

From heaven I knew you were born
On the wings of love you were brought to me
I’ve been longing for truth journeyed so far
To be with you

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free
To feel true love

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free
To feel true love

 

Imagine? What porra is that?

Essa música é lindíssima, não é mesmo? Vamos dar uma olhada mais de perto na letra?

Imagine
(John Lennon)

Imagine there’s no heaven
It’s easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today…

Aqui, o socialista de merda já começa a destilar o seu veneno. Se não há paraíso e nem inferno, muito menos amanhã (todo mundo vivendo por conta do hoje), o certo é fazer apenas o que cada um quer. É a anarquia. É putaria total. Que se fodam tudo e todos! Afinal de contas, a vida é feita de momentos… Matar? Pode sim! Estuprar? Pode sim! Degolar? Pode sim! Não sei porque, mas isso me lembra uma certa religião…

Imagine there’s no countries
It isn’t hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people
Living life in peace…

Mais uma vez, o socialista mequetrefe se finge de desentendido para ser amado por todos! Como assim sem países? Países foram criados e formados não por acaso. As pessoas que vivem em um determinado país se submetem ou pelo menos deveriam estar submetidas a um mesmo conjunto de regras e valores morais. Juntar um sujeito do país A com um do país B em nome do amor não resolve nada.

Mas não é só isso… Assim como fez na primeira estrofe, John Lennon tenta colocar todos os conflitos do mundo na conta da religião. Na primeira estrofe, de maneira mais sutil. Na segunda, fala especificamente da religião como se fosse esta a grande causa para se matar e morrer. O nazismo era um movimento religioso? O fascismo? E o comunismo? Foram estes os maiores assassinos da humanidade, e o palhação querendo colocar na conta das religiões, como se fossem todas iguais! Hello, John Lennon!?!? As religiões não são todas iguais. Apenas uma delas prega abertamente a morte dos infiéis. Revire-se no túmulo, seu crápula!

You may say I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope someday you’ll join us
And the world will be as one

Sonhador? MALUCO! Isso é coisa de doido, e os últimos acontecimentos apenas comprovam isso. Em uma coisa você está certo: há um bando de malucos como você. Atualmente, são conhecidos como “politicamente corretos”. Não servem para NADA além de pura massa de manobra!

Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A brotherhood of man
Imagine all the people
Sharing all the world…

Bom… Vamos ligar os pontos. Primeiro, você diz que Deus não existe e que as religiões, portanto, também não deveriam existir. Então, a comida e os bens que são utilizados em forma geral teriam que ser gerados pelo trabalho das pessoas. Fala a verdade, John Lennon… Você era marxista, né? Você seria da turma dos que trabalham ou da turma dos que não trabalham? Valeria a “lei do menor esforço”! Diz aí, John Lennon… Droga, muita droga, né? VAGABUNDO!

You may say I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope someday you’ll join us
And the world will live as one

Rapaz… Já comentei lá em cima. Melhor passar logo para a parte final.

Acreditar que “Imagine” é a solução para a paz nos dias de hoje é como pedir para Lula e Dilma fazerem uma palestra sobre honestidade.

CHEGA DO POLITICAMENTE CORRETO! Já passou dos limites!