Estrela

Cai do céu

E deita aqui comigo

Vem aqui iluminar

Livra-me do perigo

 

Esquenta-me já

Coração nu a esperar

Por uma chance

De bater sem descompassar

 

A qualquer hora

Em qualquer lugar

O que fazer

Além do esperar?

 

Eu não sei

Como ir buscar

O que preciso

Para me acalentar

 

Estrela, seu sei

Precisa brilhar

E eu só quero

Sentir e ser o seu cintilar.

estrela-cadente

Na base da força

Só sei do que sentes

Porque entre um orgasmo e outro

Tua mente não faz mais nada

Além de se despir

 

Não que teu corpo nu revele pouco

Mas nunca quis só isso

E sabes bem disso

Pois minha mente para ti está sempre despida

 

O que eu quero tens por dentro

Mistura de perfume e veneno

Que aprendi a degustar, saborear

E que por por mais que eu me acostume

Queima-me sempre –

Onde jaz meu sistema imune?

 

Pudera…

Até eu estava cansado do meu azedume

Eu já não sentia graça como de costume

E tu estavas lá – Onde?

Nem eu sei

Mas me chamavas para voltar

 

E eu vim a força –

Na tua força, já que eu não tinha

Nada além do insuficiente

Para carregar minha carcaça carente –

Ardente, água ardente, aguardente

Sedento por amor, por vida

 

Vivo…

E ainda assim, castigo!

Longe ou perto, tanto faz

Sempre completamente despidos

Corpos e almas unidos

Por alianças e sonhos

Avassaladoramente eternais.

forca-de-vontade

Desapego obstinado

Da próxima vez que fores embora

Não te esqueças de levar-te contigo

Porque vais e deixas-te comigo

E eis que vou-me atrás de ti

Mas quando tu voltas para buscar-te

Já fui-me e não acho-te

Muito embora estejas comigo

E ficamos deveras

A sério

Inteiramente perdidos

 

Não seria mais fácil

Ou mesmo mais lógico

Não teres ido?

Será que ao menos uma vez

Podes concordar comigo?

 

O que insistes em chamar de perigo

Nada mais é do que teu coração pedindo abrigo.

alimentos-bons-coracao