Todos os sonhos do mundo

Sigo de cabeça erguida

Ainda que não saiba exatamente

Para onde vou

 

É que tenho certezas tão grandes

E crenças tão absurdas

Que não posso me dar ao luxo

De ignorar tudo que eu já sei

E permanecer onde estou

 

Há um senso de urgência

Um furor poético e fático

Uma necessidade de vida

Que nunca antes experimentei

 

É que me dei conta

Que hoje pode ser

Meu último dia –

Eu simplesmente não sei!

 

E problemas que vi tão grandes

Se tornaram menores

Barreiras intransponíveis

Desmoronaram

E tudo porque eu decidi

Que de agora em diante

Tudo vai ser assim:

Não mais sobre o que eu perdi –

Ou nunca tive –

Mas sobre o que pode estar adiante

No quebrar  da esquina

Logo ali

 

Podem até chamar de egoísmo –

Não me importo! –

Mas de agora em diante

Eu vou mesmo é pensar mais em mim.

tenho-em-mim-todos

La Campanella, de Liszt, por Nobuyuki Tsujii

Quando tudo parecer que vai dar errado ou já estiver dando errado, e quando parecer que o universo está conspirando contra você, abra os braços e grite do lugar mais alto que encontrar:

“FODEU!!!”

Poucos entendem o poder libertador que tem esse grito. Primeiro, porque ele libera toda a carga negativa que está dentro de você, e segundo porque reconhecer que você está com problemas é o primeiro passo para se livrar deles.

Nunca chegamos até o fim do poço da noite para o dia. É óbvio que não estou falando de tragédias primárias (acidentes, homicídios, algumas doenças, etc.), mas, em geral, nós somos cúmplices dos nossos problemas, e de uma forma ou de outra diretamente responsáveis por eles.

Sabe aquela pessoa que não te respeita? Algum dia, ela te faltou com o respeito pela primeira vez. Talvez por amor ou por pura baixa auto-estima, você tenha simplesmente ignorado isso. Achou que ia melhorar com o tempo? Se deu mal, né?

E do seu emprego, você reclama muito? Uma bosta, né? Chefe chato, ambiente pesado, salário baixo… É um martírio sair da cama para trabalhar! Quer arrumar outra coisa logo só para reiniciar o ciclo de lamentações, não é mesmo?

A vida é assim. Em geral, pouco fazemos por nós mesmos. Ao invés de darmos um basta em relações nocivas, procuramos desculpas para prosseguir e assumimos até mesmo culpas que não temos! Reclamamos do nosso emprego, mas não tentamos nos qualificar, mudar nossa maneira de ver e se relacionar com a empresa, e muito menos consideramos como poderia ser pior estar de fato desempregado.

Da mesma forma que não se faz um perdedor da noite para o dia, um vencedor também não se faz de repente. A grande diferença é que o vencedor é persistente, tenaz, e não se conforma com os limites a ele impostos, quer seja pela vida ou pela sociedade. Ele corre atrás. Ele faz acontecer. Em geral, os grandes vencedores perderam muito e abriram mão de muita coisa para chegar onde chegaram. Com certeza não foi obra do acaso.

E por que eu disse tudo isso? Para você pensar antes de gritar o tal “FODEU!!!”. Ainda pode e piorar, e mesmo assim sair dessas situações só depende de você.

Apresento-vos o pianista Nobuyuki Tsujii. Muitos se referem a ele como o pianista cego japonês. E desde quando isso é importante? Ele é um fenômeno, e a intepretação dele dessa obra é a melhor que já vi.

Com vocês, Nobuyuki Tsujii. Ao invés de gritar “FODEU!!!”, ele tomou as rédeas de sua vida e dentro de suas limitações, muito maiores do que as da grande maioria que reclama, conseguiu ser transformar em um virtuoso. Lembre-se SEMPRE disso!

P.S.: Na verdade, a obra original é de Paganini. Liszt fez um estudo em cima dessa obra, e ele mesmo jamais consegui toca-la no andamento correto. Enfim… É material para poucos.