Não precisamos um do outro

Toda vez que te procuro,

Saibas que é porque te quero

E te quero muito.

E quando me procuras,

Também sei que é porque me queres

E me queres muito.

Tanta querencia –

Nenhuma sofrência –

Não é este o melhor dos mundos?

A mercê do mar

Diga-me, mar,
O que fazer
Com estas ondas de felicidade que me banham,
Que não sei se são pura ressaca
Ou se é assim que agora hão de ser.

Diga-me, mar,
Se do amor já é chegado o tempo,
Para em tuas águas recomeçar
Rumo ao destino por mim desejado,
A mercê do poder e da força dos teus ventos.