Parque da Cidade – Niterói/RJ

Uma subida extenuante (pode ser feita de carro, mas perde e graça) para alcançar esse paraíso com temperatura de 18⁰ C (versus 24⁰ C na beira da praia) e uma vista absolutamente maravilhosa, que seria de 360⁰ não fossem as árvores (e que as árvores continuem por lá).

Mais do que recomendo a visita, quer seja para pular de asa delta/parapente, fazer exercícios/trilhas, tomar uma cerveja, comer no bistrô, passear com as crianças… Enfim… Curtir a vida. É simplesmente sensacional! 🙂

De quebra, fui novamente na Praia de Camboinhas e Deus me deu esses presente: uma coruja fazendo pose para foto!

Foi ou não foi um sábado mais do que abençoado? Obrigado, Deus!!! 🥰🥰🥰

Praia de Camboinhas

Fica em Niterói, cidade do Estado do Rio de Janeiro, terra onde eu nasci. Leva esse nome por conta de um navio cargueiro que encalhou na praia. Maiores detalhes aqui.

Mas nem é esse o motivo desse post. Há tempos que eu não ia nessa praia, e no final de semana passado tive a chance de matar as saudades. Foi um reencontro, digamos assim. Deus me brindou com um dia lindo, que foi registrado em uma fotografia que mais parece uma pintura.

Ao fundo, o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor vistos de fora da Baía de Guanabara, de um ângulo pouco conhecido pelos cariocas (tecnicamente, niteroienses não são cariocas – são fluminenses). Aliás, dizem que a melhor coisa de Niterói é a vista para a cidade do Rio de Janeiro. Eu não concordo, mas também não discordo… Há como discordar vendo essa fotografia?

Era só isso mesmo. E na vitrola, não poderia ser outra música…

Australian Crawl e Itacoatiara, Niterói/RJ

Feriado de flashback sem Australian Crawl não é legítimo! Sério… Desengavetei os 47 anos com gosto. Essa banda é a cara da praia de Itacoatiara (em Niterói/RJ) na década de 1980. E descobri que ainda é a banda de Itacoatiara em pleno 2019! A música continuava lá… Eu só precisava prestar atenção para ouvi-la.

Bons tempos! E o que é bom fica para sempre. ❤ ❤ ❤

P.S.: Itacoatiara é uma das praias mais bonitas do mundo e isso não é um exagero. Basta ver aqui.

Margarida

Esse era o nome de uma senhora do tipo “personagem clássico” que morava na rua onde cresci. Infelizmente, no domingo, dia 18/02/2018, foi acometida de um infarto fulminante. Morreu em casa, com seus cachorros. Os bombeiros precisaram arrombar a porta para retirar seu corpo, pois ela morava sozinha. Creio que ela tinha 78 anos.

Era uma senhora que usava a sua pensão para sustentar familiares. Que era defensora dos animais (os cachorros dela foram adotadas por pessoas da rua). Que levava lanche para os PMs durante operações em favelas. Que era assistente social. Que era síndica do prédio onde morava. Que era devota de Nossa Senhora de Fátima. Que usava óculos. Que fazia compras no Presunic. Que conversava com todo mundo da rua enquanto fazia suas caminhadas. Que era respeitada por todos os moradores. Enfim…

Apesar de sustentar familiares, estes não iam vê-la. A rua era sua família. E por isso hoje, me sinto na obrigação de falar da Margarida. Apesar de não ser muito próximo dela, queria que ela não fosse esquecida. Queria de alguma forma registrar o quão importante ela foi na vida de muita gente, de muitos animais.

Fique em paz, Margarida. Que Jesus Cristo e Nossa Senhora de Fátima a recebam em paz no reino dos céus. Você deixou marcas nesse mundo. É meu dever honrar quem se foi antes de mim.

margarida-2

Anjos do Asfalto – O Sol – 1991

E aí, você acorda em uma segunda-feira qualquer, e um amigo (vocalista da banda na época e seu padrinho de casamento) posta na sua timeline do Facebook uma gravação em vídeo de um show que fez com você em 1991… Sem palavras!

Eu tinha 19 anos… Só 19 anos. Muita história nessa música!

Banda: Anjos do Asfalto (Cacau, Fabinho, Fabio Ottolini, Raul Silveira Simoes, Granamyr)

Música: O Sol

Autores: Cacau Hausen e Fábio Ottolini

Local: Duerê – Niterói/RJ

Ano: 1991