Aniversário da minha mãe – 2021

– Dose de reforço da vacina (ela quis tomar no primeiro dia possível, que calhou de ser no dia de seu aniversário).

– Hambúrguer, batata frita e Coca Zero (ela escolheu).

– Um bolo de chocolate (ela também escolheu).

– Um monte de abraços e beijos (ela não teve escolha nesse caso).

Feliz Aniversário, minha mãe! Já são 74 anos muito bem vividos! Obrigado pelas suas qualidades e seus defeitos. Obrigado por me amar e justamente por isso me dar umas broncas mais do que merecidas. Obrigado pelos princípios e valores que herdei de você e que uso como bússola moral na criação de minha filha! Obrigado mesmo, de verdade!

Que Deus te abençoe! Te amo!

P.S.: Sua neta mandou dizer que também te ama!

P.S. 2: A gente briga, mas a gente se ama. ❤

Paradoxo da Pandemia

Muitas pessoas que nunca usaram máscara ou álcool em gel, que são contra a vacinação, e que nunca respeitaram o distanciamento social sobreviverão sem nunca terem sido infectadas pelo Covid-19. Essas pessoas dirão que tudo foi um grande exagero e que os cuidados de fato nunca foram necessários. Essas pessoas rirão de você que se cuidou e que se vacinou. Dirão que você caiu no conto do vigário. E está aí o grande paradoxo dessa pandemia: quem não se cuidou ou não se cuida foi e está sendo diretamente beneficiado por quem se cuida.

Quando você se cuida, você cuida dos outros também. Quando você não se cuida, você não cuida dos outros também. Prefiro pecar pelo exagero do que pela falta. A minha consciência está tranquila. E a sua?

Vacinado, seu babaca!

Estou vacinado. Não tem foto. Tem é vacina no braço. Tem é um ser humano que se virar jacaré, vai comer o cu de quem já deveria/poderia ter se vacinado e ainda não se vacinou porque é um completo babaca.

Não, não tem essa de não acreditar na vacina. A vacina sempre foi a única saída. Sempre. Foda-se a marca, o nome. E está aqui, no meu braço. Está aqui não só por mim, mas para todos nós.

Entendeu isso, babaca? Eu tomei a vacina e saí do posto de saúde sabendo que contribuí não apenas para a minha saúde e da minha família, mas também para a sua, babaca. Eu me preocupo com você e você não se preocupa comigo. Eis a nossa diferença.

A máscara continua. O álcool em gel continua. O distanciamento social continua. Só mudou uma única coisa: hoje, eu posso chamar com mais força ainda todos os babacas negacionistas desse mundo de babacas.

Não tem esse de “economia a gente deixa para depois”. Sem saúde, babaca, não tem economia. Não tem nada. Caiu no conto do Bolsonaro, né? É típico de um babaca cair no conto de outro babaca.

Quer se redimir? Abandone a sua seita e passe a se comportar como um ser humano digno. Pare de acreditar em cloroquina e ozônio no cu. Saia da bolha. Venha para o lado do bem.

Fique com Deus, babaca! Ainda há tempo. Apenas deixe de ser babaca!

VIVA A CIÊNCIA! VIVA A VIDA!