A maré

Ele a amava de forma tão absoluta

Que ela nunca o entendeu

É que ela não precisava ser amada assim

E foi o que ele nunca percebeu

 

Quanto mais profundo o mergulho

Quanto mais alto o vôo

Maiores os riscos

E há quem a diante destes fique arisco

 

Há quem precise de profundidade

Há quem precise de altura

Mas também há quem precise

Simplesmente de nenhuma fartura

 

Aos olhos dela, ele é um louco

Aos olhos dele, ela também é

Estar no controle ou perder o controle?

Vida alta ou baixa como a maré.

A+medida+do+amor

Beijo a flor

Bem na flor eu vi

Um beija-flor

Ele a acaricia

Língua em frisson

Fervor

 

Ela não reclama

Ele volta sempre

Ela o espera

Receptiva

Sorridente

 

Cheirosa

Amarela ou rosa

Todas as cores

Pra lá de graciosa

 

Relação sincera

Do beija-flor com a flor

Existem porque se completam

Diga instinto – eu digo amor

 

Até porque ele volta sempre

Entre tantas

Vôo certeiro

Para a mesma flor.

86d32-beija-flor-em-destaque-1361448314

Holometabolismo

Invade-me teu silêncio

Talvez ele me diga alguma coisa

 

Nada

 

Talvez eu esteja surdo

Talvez tu estejas muda

 

Não precisas me explicar

Metamorfoseio-me

Oiças-me mudo

Eu mudo

E vôo

Pro mundo.

borboleta-voando_5012897756f3c-p

Voando feito anjo

Eu conheço um anjo

Que vive em seu próprio tempo

E precisa dele para viver

 

Sua beleza é inequivocamente única

Sua inteligência fora do comum

Seus toques fazem tudo parar de doer

 

Sua presença ilumina, contamina

Enche-me de paz, de amor, de tudo mais

É a pura materialização da esperança

 

É como meu sexto sentido

Onde encontro acolhedor abrigo

Que faz minha alma ficar mais mansa

 

Mas mesmo este anjo parece sentir medo

E diante de algum desassossego

Recolhe subitamente as suas asas

 

Não deixa de ser um anjo, entretanto

 

As asas recolhidas são um sinal de força

Para que em seu próximo vôo

Possa ir além, absolutamente triunfal

 

Felicidade é seu nome e sobrenome

E este amor que deixa meu coração com fome

Também é, sem dúvida alguma, angelical.

anja

Para ouvir:

Like an Angel – Yngwie J. Malmsteen

I’ve been searching for you for so long
My life’s been sacrificed
I’ve been longing for truth
And now I have found all that in you

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free
To feel true love

From heaven I knew you were born
On the wings of love you were brought to me
I’ve been longing for truth journeyed so far
To be with you

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free
To feel true love

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free

Like an angel you came to me
And now I see
The stranger in me is finally free
To feel true love

 

Irracionalmente feliz

Toda vez que ouço a palavra racionalidade, por um motivo ou por outro, imagino um filhote de pássaro na beira do ninho, prestes a voar pela primeira vez. O filhote não sabe o que é gravidade, muito embora sinta os efeitos dela. Seu instinto de sobrevivência o faz respeitar a altura, mas isso não o impede de tentar. É fato que alguns caem na primeira tentativa e alguns talvez até morram tentando, mas esse é seu instinto. Os pássaros precisam voar. Eles sabem disso. Não fogem e não hesitam. Eles simplesmente vão.

Tento trazer essa analogia para o nosso mundo de alguma forma, e confesso que encontro todo o tipo de dificuldade. Imagino como seria no ninho se os filhotes fossem racionais:

“Minhas penas estão bonitas?”
“Eu até queria voar, mas eu me recuso a seguir os padrões impostos pelos meus pais, pela natueza.”
“Tá maluco? Acha que vou me atirar dessa altura sem participar de algum treinamento adequado?”

Somos assim. Somos racionais. E por mais que isso tenha feito de nós a espécie que subjugou todas as outras no planeta Terra, essa mesma racionalidade nos tráz um monte de limitações. A principal delas é a que precisamos ser socialmente aceitos. Somos seres sociais. E para isso, precisamos encontrar alguma caixinha, algum rótulo que possamos utilizar para conviver com outras pessoas. Racionalmente falando, somos irracionais ao ponto de acreditarmos que o que os outros fizeram antes de nós é perfeito e ideal para nos definir enquando indivíduos. Incrível, não?

Poucos, de fato, são aqueles que vieram ao mundo com a coragem de desafiar a sua própria racionalidade. Em geral, são conhecidos como loucos:

“Você tinha um emprego tão bom! Por que saiu?”
“Se eu fosse você, não faria Biologia Marinha. Onde você vai trabalhar com isso?”
“Você precisa se casar. Já passou da idade.”

Somos bombardeados por frases desse tipo durante toda a nossa vida. Essas mensagens são emitidas por quem nos ama, por quem nos odeia, por quem sabe do que está falando, por quem não sabe do que está falando, e pior ainda: por nós mesmos.  Precisamos entrar dentro de uma caixinha socialmente definida para recebermos a chancela de indivíduos padrão.

E dessa maneira, ignorando que o mundo pode nos oferecer muito mais do que caixinhas, nos dizemos felizes. Não podemos ou mesmo sequer ousamos ouvir o que nosso coração tem a dizer sobre nossa vida. Temos que ser racionais, claro. Irracionalmente racionais.

Há uma sequência de frases que ilustra perfeitamente o que quero dizer:

É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar.
É melhor tentar, ainda que em vão que sentar-se, fazendo nada até o final.
Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias frios em casa me esconder.
Prefiro ser feliz embora louco, que em conformidade viver.

A autoria (não confirmada) dessas frases é de Martin Luther King.

Eu aprendi que viver fora da caixinha dá medo, mas também aprendi que a verdadeira felicidade pode estar fora dela. Largar um emprego para tentar algo que nunca fiz na vida? Por que não? Mudar-me para um lugar diferente? Por que não? Sentir algo diferente? Por que não? Não vai ser o meu medo que vai me definir enquanto pessoa, e muito menos o que a sociedade espera que eu seja. Eu preciso voar e nada nem ninguém vai me impedir de fazer isso. O limite superior da minha felicidade é infinito, e a responsabilidade sobre a minha felicidade é única e exclusivamente minha.

E você? Está preparado para o seu primeiro ou próximo vôo? Que seja irracional, talvez. Siga seus instintos. Experimente novos níveis de consciência. Conheça-se. Explore-se. Descubra sua essência. Seja você mesmo. Visto de cima, o mundo é muito, muito maior.

eagle-03